Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

quarta-feira, 8 de fevereiro de 2012

Quando a austeridade vence a esperança

Queria ter postado isto mais cedo mas passou-me. Tantos posts que se perdem, tantos posts.
Mas penso que ainda vou bem a tempo.



À hora a que escrevo, está por horas a eleição da palavra para este ano. A iniciativa é da Porto Editora. Depois de inúmeras possibilidades, ficou uma lista mais curta, onde não faltava a “Troika” que nos entrou no vocabulário à força, até que restaram duas. E é curioso como são bem apanhadas, ambas, e tão simbólicas dos tempos e da escolha. Parecem opostas. Mas não acho que sejam. “Austeridade” e “Esperança”. A votação vai renhida, ao que parece, e provavelmente quem ler isto hoje já saberá qual ganhou. Para o caso deste texto, pouco importa, e prefiro até estender a indefinição da vitória. Ficaram sozinhas na lista, por parecerem uma branca e outra negra, uma positiva, outra negativa. Como se ao escolhermos uma delas estivéssemos a definir o comportamento que havemos de adoptar. Os realistas cépticos e sérios: votam “austeridade”, porque é preciso não ter medo das palavras e saber que terreno pisamos. Os optimistas, algo ingénuos, com tendência para a facilidade do sorriso sonhador: vão pela “esperança”.  É por estas e outras que não hei-de votar entre estas duas finalistas (e agora releia o título da crónica, lá em cima na página). Pois. É o meu dilema. Acho que ambas se adequam, reconheço força em cada uma, e, mais importante, acho que podem e devem complementar-se. Como reconheço que dou ligeira vantagem à “esperança”. Por feitio ou defeito, fui céptico na juventude, dado a pessimismos que justificava com mal disfarçada arrogância; julgava ver sempre um pouco mais além que os outros, e isso fazia-me vislumbrar um mundo mais negro que os ingénuos não alcançavam. Cansei-me de ser assim. A idade empurrou-me para o caminho onde se busca, incessantemente, o lado bom das coisas, das pessoas, dos acontecimentos. Quando começa a faltar tempo, convém aproveitá-lo bem. Talvez o meu optimismo, ou pelo menos a negação de um pessimismo militante, seja uma arma de sobrevivência. Não sei. Mas sei também que, a respeito de sobrevivência, acabaria por adoptar a “esperança”, nem que fosse pela lei da necessidade, ou a lei da alternativa. De que consta? Bom, de uma pergunta muito simples que devemos fazer em situação limite. Qual é a alternativa? Pormos as mãos à cabeça, no medo do que aí vem? Enfiarmo--nos debaixo da cama, correr as persianas, fechar os olhos com força? Deixarmo-nos abater pelo peso da expectativa? É daqueles momentos em que estamos esmagados contra uma parede. Como se uma mão poderosa nos comprimisse o peito até nos encostar as costas no frio do muro. É o momento de pensar: que te resta? Se não te podes angustiar com a ideia de ires mais para trás ou mais para baixo... procura levantar-te, procura sair de novo em frente. Chama-lhe esperança. Essa luta enquanto houver um sopro de resistência. Que todos temos, todos sem excepção, embora alguns precisem de ser postos à prova. Por isso escolho “esperança”, sem hesitação. Porque, por mim e pelos que amo, recuso-me a acreditar que nos espera o fim de uma era, que a vida voltará a trevas. E no entanto... Sim, creio no fim de uma era. Contraditório? Espero que não. Creio que chegámos ao fim de uma era... económica. Creio que, neste capítulo, nada será como dantes. Acredito que muitos de nós, a serem sinceros e justos quando se olham ao espelho, a sós, assumam, aceitem e confessem que muitas vezes, demasiadas vezes, esticámos a corda para além do possível, para além do razoável: vivemos, quase sempre, acima do que realmente podíamos. Bem podemos culpar a “sociedade”, que nos inundou de novas e galopantes “necessidades”, culpar os bancos, que nos aliciaram com crédito fácil, que nos fizeram acreditar que poderíamos viver muito acima do que temos realmente na conta. A verdade é que deveríamos ter feito escolhas, quando era difícil resistir às tentações.  A verdade é que pensámos nisso, (vou ter de pagar este empréstimo...), ou admitimos que nunca realmente pensámos nisso? Que foi mais um... logo se vê, há-de correr bem. E agora, a força da tal lei da alternativa. Encostados à parede, com o dinheiro a diminuir, somos empurrados para a poupança. E talvez desta lei da necessidade, desta lei dura do que é realmente possível ou não é, nasça em nós uma nova mentalidade. Por isso sim, “austeridade” também. É uma palavra feia que nos caiu em cima e nos verga, mas quem sabe... pode salvar-nos daqui para a frente. Tenhamos esperança de sairmos de tudo isto mais fortes e mais sábios. Não é feito disso o processo de crescimento?    




Rodrigo Guedes de Carvalho


Daqui






Austeridade foi a palavra que ganhou. Venceu à esperança. Venceram os cépticos em vez dos optimistas. Talvez seja mesmo um sinal dos tempos. Ou então uma mostra que o povo português é e sempre foi cinzento e stressado. Demasiado fado?


Austeridade foi a palavra que sucede a vuvuzela(2010) e a esmiuçar (2009).




E se eu pudesse escolher uma palavra qual seria? Depois de muito pensar escolheria Espanto. Foi um ano de espantos, de descobertas mais e menos felizes, de sobressaltos e de ultrapassagem de obstáculos; do nascimento da minha bebé e da maravilha que isso transmite. Espanto pela bondade das pessoas. Espanto pela maldade das pessoas. Espanto pelo estado do mundo. 
E se pudesse ser uma frase inteirinha? Hummmmmmm. Eu cá escolheria a "Tás a brincar comigo?". Dá ou não para tudo e mais alguma coisa?






E vocês, que palavra escolheriam?

6 comentários:

Mamã Petra disse...

Eu acredito que uma crise como esta servirá para crescermos todos, e a austeridade em conta, peso e medida dá-nos esperança de uma vida melhor.

Beijinhos...

Duchess disse...

Sem dúvida, sem dúvida. E acho que austeridade e esperança não são contraditórias.
A esperança é algo que nos assiste. Mas não a esperança de voltarmos ao que éramos todos antes desta crise e destes tempos de austeridade. Nuca se volta ao que se é antes. Uma crise transformar-nos-a de maneira a que não voltaremos ao ponto de partida.

Princesa disse...

Paciência, seria a palavra que eu escolheria. Aprendi o que era e aprendo todos os dias com a minha filha. Paciência para tudo e mais alguma coisa...

sofia disse...

Ontem fiquei a pensar nisto e que palavra escolheria e não é que ainda não sei?...
Mas gosto da palavra "acreditar"
É um acreditar parecido com esperança, mas mais abrangente
Gosto de acreditar nas pessoas, ou de me permitir acreditar nelas
gosto de acreditar que há-de correr tudo bem
lá está, "acreditar" que havemos de nos reconstruir com a crise para melhor
E por estes dias, quero acreditar que há-de aparecer trabalho, que ainda há-de haver alguém a querer o trabalho de arquitectos
E acredito, e muito, nos sorrisos :)

Duchess disse...

Princesa: pois...por cá também. Tanto, tanto. Mas mesmo assim não é a minha palavra de 2011.

Sofia: que bonito. Adorei.

Tella disse...

A minha palavra de 2011 é confusão.

(nem queiras saber...)

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...